29/03/2018

Dúvidas frequentes – Lubrificantes

Óleos lubrificantes para motores podem ser misturados? Quais as consequências dessa mistura?

 

Não é recomendada a mistura de óleo lubrificante, pois os produtos possuem tecnologias diferentes, o que pode afetar o desempenho do lubrificante.

 

Entretanto, a maioria das montadoras recomenda completar o nível do óleo com o lubrificante disponível em caso de emergência (luz do nível do óleo acendendo no painel) e dirigir-se, tão logo seja possível, a um local especializado para efetuar a troca com o lubrificante recomendado no manual do seu carro.

 

 

 

Quando devo trocar o óleo do carro?

 

A troca do óleo deve ser realizada quando se atinge o período de uso recomendado no manual do veículo. Esse período é informado pelo fabricante do veículo, de acordo com as condições de uso do mesmo, e estas informações estão disponíveis no manual do seu carro.

 

 

 

Quando devo completar o nível do óleo?

 

O nível recomendado de óleo deve estar entre as marcas de mínimo e máximo da vareta de verificação.

 

Com o uso do carro, pode ocorrer a queima ou evaporação do óleo, baixando seu nível. Assim, quando o nível do óleo estiver próximo ou abaixo da marca mínima da vareta de verificação, mas ainda não for a hora da troca, deve-se completar o óleo, seguindo a recomendação do fabricante do veículo.

 

 

 

Como devo escolher o lubrificante para o meu carro?

 

Para saber qual é o lubrificante correto para o seu veículo, consulte o “Manual do Proprietário”. Normalmente, os fabricantes disponibilizam informações técnicas, tais como classificação API, ACEA, viscosidade (SAE) e especificações dos próprios fabricantes dos veículos. É importante que você siga estas recomendações e especificações para garantir o desempenho, evitando manutenção prematura e aumentando a vida útil dos motores e das transmissões.

 

 

 

O que devo verificar no rótulo do óleo lubrificante?

 

Verifique se o rótulo na embalagem está legível e com as informações exigidas pela ANP; se está dentro da validade e se o fabricante e produto estão em dia com a ANP. Para checar tudo isso, conte com a ajuda do nosso hotsite.

 

 

 

Qual a diferença entre o óleo mineral, semissintético e sintético?

 

O lubrificante é composto por óleos básicos e aditivos. Sua função no motor é lubrificar, evitar o contato entre as superfícies metálicas, proteger o motor e refrigerar, independentemente de ser mineral ou sintético. A diferença está no processo de obtenção dos óleos básicos, que será determinante para classificá-lo como de base mineral ou de base sintética.

 

Os óleos básicos minerais são obtidos da separação de componentes do petróleo, no seu processo de refino, caracterizando-se por uma mistura de hidrocarbonetos. Já os óleos básicos sintéticos são obtidos por reação química, em plantas petroquímicas, havendo, assim, maior controle em sua fabricação, permitindo a obtenção de vários tipos de produtos, com diferentes propriedades e, por isso, são produtos mais estáveis e possuem maior resistência ao envelhecimento.

 

Os óleos semissintéticos ou de base sintética empregam mistura em proporções variáveis de básicos minerais e sintéticos, buscando reunir as melhores propriedades de cada tipo à otimização de custo, uma vez que as matérias-primas sintéticas possuem custo mais elevado do que aquelas de base mineral. A Agência Nacional do Petróleo (ANP) definiu como óleo semissintético aquele que emprega, no mínimo, 10% de óleo sintético em sua composição.